segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Novo romance de John Green sai em novembro

Com tiragem inicial de 200 mil exemplares, Intrínseca lança em outubro ‘Tartarugas até lá embaixo’

Aguardado por milhões de leitores em todo o mundo, o novo romance do norte-americano John Green chega às livrarias no dia 10 de outubro. O livro Tartarugas até lá embaixo, já teve a capa na versão brasileira divulgada e é o primeiro lançado pelo autor em seis anos. 

John Green tem quatro best-sellers publicados no Brasil, todos pela Intrínseca, entre os quais estão “A culpa é das estrelas e Cidades de papel, adaptados para o cinema. De acordo com a editora, juntos, os livros venderam no país mais de 4,5 milhões de exemplares. Para o lançamento de Tartarugas até lá embaixo, a Intrínseca prepara uma tiragem inicial de 200 mil cópias. 


A trama da obra acompanha Aza Holmes, uma menina de 16 anos que decide investigar o paradeiro de um bilionário desaparecido misteriosamente. Aza faz de tudo para agir como uma grande detetive, enquanto tenta também ser uma boa filha, amiga e aluna. Paralelamente, ela precisa ainda encontrar formas de lidar com seu transtorno obsessivo-compulsivo (TOC). Tartarugas até lá embaixo é o mais pessoal dos livros de John Green, autor que desde criança teve a rotina afetada pelo TOC. Recheado de frases sublinháveis e repleto de referências à cultura pop, o livro fala sobre amizades duradouras, reencontros inesperados, fan-fics de Star Wars e estranhos répteis neozelandeses.


terça-feira, 20 de junho de 2017

Prêmio Sesc de Literatura 2017 anuncia vencedores

José Almeida Junior e João Meirelles Filho foram selecionados na categoria romance e contos


O potiguar José Almeida Junior e o paulistano João Meirelles Filho são os vencedores do Prêmio Sesc de Literatura 2017, nas categorias Romance e Conto, respectivamente. Os dois autores concorreram com os livros “Última Hora” e “Poraquê e Outros Contos”, que superaram outras 1.793 obras inscritas, sendo 980 romances e 813 contos.

Desde 2003, o Prêmio Sesc de Literatura escolhe um romance e um livro de contos ainda inéditos, de autores ainda não publicados. Os vencedores terão suas obras publicadas pela editora Record, com tiragem inicial de 2 mil exemplares. A avaliação ficou por conta de uma comissão especializada formada pelos escritores e críticos literários Andrea del Fuego, Luis Rufatto, Sidney Rocha e Ronaldo Correa de Brito.

Vencedor da categoria Romance com “Última Hora”, o potiguar José Almeida Júnior, de 34 anos, é natural de Mossoró (RN) e reside em Brasília há 10 anos, onde exerce o cargo de Defensor Público do Distrito Federal. O romance é uma narrativa histórica, que retrata o jornal fundado por Samuel Wainer, sob o ponto de vista de um repórter ficcional torturado no Estado Novo.

Ativista ambiental e empreendedor social, João Meirelles Filho, 57 anos, é o ganhador da categoria Conto com “Poraquê e Outros Contos”. Nasceu em São Paulo e há 13 anos vive em Belém do Pará. Seu livro trata da relação do homem e o desconhecido na Amazônia – seja diante do impacto de mudanças climáticas, seja das encantarias.

Os ganhadores da 14ª edição do Prêmio Sesc de Literatura estão confirmados na programação do Centro Cultural Sesc Paraty, durante a Flip 2017, que acontece de 26 a 30 de julho, e também serão premiados em cerimônia, no segundo semestre, por ocasião do lançamento dos livros.


quarta-feira, 14 de junho de 2017

Stephen King ironiza Trump após ser bloqueado no Twitter

'Fui bloqueado de ler seus tuítes. Talvez eu tenha que me matar', disse ele


O escritor Stephen King, de clássicos como "O iluminado" e "It", anunciou nesta terça-feira que foi bloqueado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, no Twitter — rede social intensamente usada pelo político mesmo após ser eleito para um dos cargos mais importantes do mundo.

"Trump me bloqueou de ler seus tuítes. Talvez eu tenha que me matar", ironizou King. De uns tempos para cá, o autor vem fazendo diversas críticas a Trump no Twitter. Em outubro, antes das eleições, por exemplo, ele publicou: "Escrevi minha nova história de terror: era uma vez um homem chamado Donald Trump, e ele concorreu à presidência. Algumas pessoas queriam que ele ganhasse".


Nas últimas semanas, porém, King intensificou a postura. "Logo quando você pensa que Trump não pode fazer nada mais estúpido do que contrabandear armas para os sauditas, ele deixa o Acordo de Paris" e "Nosso presidente idiota parece ter confundido o que é 'politicamente correto' com o que é 'inconstitucional" são alguns dos exemplos. O último, que parece ter sido a ponta do iceberg para Trump, foi: "O gabinete de Trump oferece curso de pós-graduação em puxa-saquice".


Após a descoberta, King recebeu o apoio de outros críticos de Trump, como a também escritora J.K. Rowling, da saga "Harry Potter", que disse: "Eu ainda tenho acesso (ao Twitter de Trump). Vou mandar uma mensagem direta a ele para você". A produtora e roteirista Melissa Jo Peltier fez coro: "Parabéns, senhor. Provavelmente ele é a única pessoa no mundo livre que não sabe quem é você, já que ele não lê".


quarta-feira, 31 de maio de 2017

Novo livro de Thalita Rebouças aborda preconceito


Davi é um garoto carioca de 16 anos que começa a viver todas as angústias da adolescência: paixões, amizades e, no seu caso particular, a descoberta da própria sexualidade. Interessado por ciência e astrologia, o protagonista de "Confissões de um garoto tímido, nerd e (ligeiramente) apaixonado" (Ed. Arqueiro), novo livro da escritora Thalita Rebouças, passa por situações nada fáceis na busca para entender seus próprios sentimentos.

Thalita conta que o livro nasceu de um pedido dos fãs. Davi é um dos melhores amigos de Tetê, a protagonista do seu romance anterior, "Confissões de uma garota excluída, mal-amada e (um pouco) dramática)" (Ed. Arqueiro). Agora, Tetê é uma "coadjuvante de luxo" de Davi, nas palavras da autora.

Para Thalita, após tratar de bullying no primeiro "Confissões", este era o momento de falar sobre preconceito e quebra de tabus. Zeca, outro personagem importante dos dois livros, também ganhar um livro seu em novembro.

- A Tetê foi a primeira vez que eu falei muito de bullying, é o assunto da primeira à última página. O Davi trata de questões que eu queria abordar: a descoberta da sexualidade, a relação com a família - diz a autora. - Tratar deste assunto é urgente. A homofobia, o Brasil ser o campeão de crimes contra gays e lésbicas. Não pode. Eu escrevo para essa galera, eles me leem, me ouvem. Eu precisava falar disso.

Fonte: O Globo

sábado, 27 de maio de 2017

Prêmio Pólen de Literatura com inscrições abertas

Vencedor terá seu livro publicado além de levar para casa R$ 10 mil

Todo mundo tem uma história para contar. Partindo dessa premissa, a Suzano, fabricante do papel Pólen, em parceria com a Arqueiro (Sextante), abriu as inscrições para o Prêmio Pólen de Literatura. Podem concorrer obras de ficção (romances, suspenses, policiais ou thrillers) inéditas e escritas originalmente em português por um escritor brasileiro, nato ou naturalizado. O vencedor ganha, além de um prêmio de R$ 10 mil, uma cota de 300 exemplares de seu livro que será publicado pela editora. As inscrições se encerram no dia 30 de junho e podem ser feitas clicando aqui


terça-feira, 9 de maio de 2017

Jojo Moyes defende que suas histórias de amor são também políticas

Escritora que mais vendeu no Brasil no ano passado vem ao país pela primeira vez


“O que aconteceu com a minha vida?” Essa é a pergunta que a escritora britânica Jojo Moyes se faz todos os dias ao acordar, desde que seu romance “Como eu era antes de você” (Intrínseca), de 2012, se tornou um best-seller mundial e foi adaptado para o cinema. Apesar de ter sido lançado no Brasil em 2014, o livro virou uma febre no país apenas no ano passado, na esteira do filme protagonizado por Sam Claflin e Emilia Clarke. Foram 352.330 exemplares vendidos — mais que o dobro de “Harry Potter e a criança amaldiçoada” (Rocco) —, garantindo o posto de campeão de vendas em 2016. “Depois de você” (Intrínseca), a continuação de “Como eu era...”, ficou em terceiro lugar, e Jojo foi a autora mais vendida no ano. Seus 11 livros publicados no país somam mais de 2 milhões de exemplares vendidos.

A autora repetiu mentalmente a mesma pergunta ao acordar, ontem, na suíte de um hotel cinco estrelas na Zona Sul. A vista da Praia de Ipanema nas primeiras horas da manhã deixou Jojo embasbacada e ela não conseguiu dormir mais. Na sua primeira visita à América do Sul, para dois encontros com fãs promovidos por sua editora no Rio e em São Paulo, a escritora, de 47 anos e mãe de três filhos, ainda se surpreende com a vida de autora popstar.

— Nas redações da imprensa inglesa, costuma-se dizer: seja legal com todo mundo quando você está subindo, porque você não sabe quem vai encontrar quando estiver descendo. É como eu me sinto em relação à vida — diz Jojo, que trabalhou durante dez anos como jornalista antes de se dedicar exclusivamente aos romances, em entrevista ao GLOBO, na tarde de ontem, na suíte onde está hospedada. — Esta é uma vida muito legal, as pessoas são muito legais com você. Mas, quando você é mais velho, sabe que teve muitas experiências antes de chegar ali e que isso pode acabar no dia seguinte.

SUCESSO TARDIO

A fala realista da autora não é à toa. O sucesso chegou na sua vida quando ela já não o esperava mais. Após oito livros lançados, seu editor não gostou da ideia para “Como eu era antes de você”: uma ex-garçonete consegue um emprego de cuidadora de um homem rico, inteligente e bonito que ficou tetraplégico após um acidente de moto, os dois se apaixonam, mas o mocinho não suporta a sua condição e decide pôr fim à própria vida por meio da eutanásia. A trama não tem um final feliz e aborda um assunto tabu em todo o Ocidente. Quem encorajou Jojo a seguir em frente foi seu marido, com uma frase exemplar do humor negro britânico: “Esse será o livro que finalmente vai acabar com a sua carreira”. Não só não acabou com a carreira dela como deu origem a duas continuações. Após “Depois de você”, Jojo está terminando de escrever o terceiro e último volume protagonizado pela ex-garçonete Louisa Clark.

— Eu não esperava ter nenhum leitor para “Como eu era antes de você”. Eu consigo entender por que meu editor não gostou muito da minha ideia. Eu não sabia se o livro seria publicado. Meu marido me encorajou a escrever o livro e depois pensar nisso. Eu falei que isso significava ficar um ano trabalhando sem ganhar nada. Ele respondeu que a decisão era minha. Eu escrevi “Como eu era antes de você” com a certeza de que, se ninguém quisesse publicar, eu ia colocá-lo na internet. Era uma história que eu precisava contar — diz Jojo.

A autora afirma ter ficado muito surpresa com a repercussão do livro no Brasil. Por ser um país bastante religioso, um romance que aborda a eutanásia poderia afugentar potenciais leitores. Mas não foi isso que aconteceu. Jojo afirma que foi muito cuidadosa ao escrever a história e arrisca uma explicação para tamanho sucesso:

— Eu nunca achei que o livro fosse se tornar popular num país como o Brasil. A primeira coisa que meu pai me disse quando escrevi o livro foi: “Você vai arrumar problemas”. Eu fui muito cuidadosa na escrita, busquei olhar a situação por todos os ângulos. Eu estava interessada em pensar sobre quem vive uma situação desse tipo, se você é alguém que decide colocar fim na própria vida pela eutanásia ou ama alguém que toma essa decisão. O que acontece com as pessoas que vivem uma situação dessas? Não se trata de certo ou errado.

HERANÇA JORNALÍSTICA

Jojo acredita que herdou do jornalismo esse interesse pelas experiências extraordinárias das pessoas comuns. A maioria de suas protagonistas são mulheres da classe trabalhadora. Cuidadoras, faxineiras, garçonetes, que, em geral, aparecem na literatura apenas como vítimas de assassinatos ou obcecadas por bolsas de marca, segundo ela. A autora conta que se identifica com as suas personagens.

PUBLICIDADE

— É muito importante para mim contar essas histórias porque eu fui essa mulher. Hoje não mais, mas eu já fui como elas — lembra Jojo. — Se você escreve ficção nos tempos atuais e ignora o fato de que, para muitas pessoas, ganhar dinheiro suficiente para viver é uma preocupação diária, então não acho que você esteja refletindo a vida. Eu tento narrar a vida comum, mas ao mesmo tempo introduzir alguns elementos dos contos de fada, da magia, do extraordinário. É nisso que eu estou interessada.

Bastante ativa nas redes sociais, não é difícil encontrar publicações da autora sobre temas quentes da política atual, como as eleições na França, anteontem, a disputa partidária inglesa e a saída do Reino Unido da União Europeia. Jojo recusa o rótulo de autora de “histórias de amor” e afirma que a política está sempre presente. A cada vez que começa a escrever um romance, ela pensa que tipo de mensagem aquela história vai passar:

— O pessoal é político. Se escrevo um livro de não ficção sobre como os ricos estão ficando mais ricos e os pobres, mais pobres, quem vai ler? E se eu escrevo um livro sobre uma mulher com um filho talentoso que merece uma chance melhor na vida, e um homem que teve todas as oportunidades, mas não conseguia ver isso? O que acontece quando essas duas visões de mundo se encontram? — questiona, referindo-se à trama de “Um mais um” (Intrínseca). — Na Europa, há uma enorme falta de empatia com a posição do outro. A ficção tem o papel de promover a empatia. Eu não consigo imaginar como ser um autor e não tocar na política.


Fonte: O Globo

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Eduardo Cunha, o editor

O ex-parlamentar abriu uma editora dois dias antes de ser preso no Paraná


A Folha de S. Paulo revelou, em matéria publicada no último domingo (8), que o ex-parlamentar Eduardo Cunha abriu uma editora dois dias antes de ser encarcerado pela Polícia Federal, em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. Também antes de ser preso – e depois de cassado -, Cunha vinha tendo negociações com editoras para a publicação de seu livro de memórias que, segundo as palavras do próprio, “abalaria a República”. Segundo a reportagem, a Eduardo Cunha Atividades Intelectuais, nome dado à empresa cuja atividade principal é a edição de livros, foi criada no dia 17 de outubro do ano passado, no mesmo dia em que Cunha teve um encontro com Paulo Tadeu, proprietário da Matrix para negociar a publicação do seu livro. De acordo com o que disse o advogado do ex-deputado à Folha, a editora foi aberta para “administrar a publicação do livro”.

Nos últimos meses, os leitores do PublishNews acompanharam a saga de Eduardo Cunha contra o Grupo Editorial Record. O ex-parlamentar levou a editora aos tribunais pedindo que fossem suspensas a distribuição e comercialização do livro Diário da cadeia, escrito sob o pseudônimo de Eduardo Cunha. Na justificativa, a banca composta por Cunha dizia que era público o interesse do autor da ação em escrever um livro e que o uso do pseudônimo na obra poderia levar o leitor a entender que o livro publicado pela Record seria o mesmo que está sendo preparado por Cunha. O ex-parlamentar não obteve sucesso e o livro está sendo comercializado normalmente nas melhores casas do ramo.

Fonte: PublishNews